17 de junho de 2012

Ações e reações

Nunca devemos julgar as pessoas e jamais colocarei aqui algo vá deixar uma má impressão de minha pessoa, mas um assunto me intriga é mais um debate do que uma condenação. Queira ou não queria penso que este assunto esta deixando muita gente intrigada ou até porque não revoltada. Estou me referindo a morte da irmã de Angela Bismarchi, pois então, não é uma banalidade este fato, para nós telespectadores é um fato que aconteceu, mas para ela foi a irmã que morreu. Cada pessoa reage de uma forma quando recebe uma péssima noticia, mas veja bem, quando minha avó faleceu não fui ao velório que seria em outra cidade, preferi ficar em casa com minha Gabi. Quem me conhece sabe perfeitamente o tamanho de meu amor pela minha avó, ela é minha referencia na vida. No dia que recebi a noticia fiquei arrasada e chorei muito, estava no meu trabalho e meu chefe me dispensou, peguei minha gabi na creche pois ela tinha quatro anos e fui para casa, minha prima me ligou e disse para ir, mas falei a ela que não iria, a família? Nossa ficaram chocados, mas já estava decidida, afinal não vou em velórios a muito tempo, não por medo ou por qualquer outro sentimento de repulsa, mas sim porque não tenho nada para fazer ali. Na minha opinião é só a casca que esta ali e prefiro lembrar da pessoa como na ultima vez que a vi e não muito distante de sua morte, fui visitá-la, na despedida ela disse que me amava muito e demos um selinho, sempre fazíamos isso. É esta lembrança que guardo dela e é esta imagem que quero lembrar. Penso que a gente tem que dar valor as pessoas em vida, amar, beijar e fazer tudo que pode para fazer da vida da pessoa a mais agradável possível. 
Quando ela teve o primeiro derrame eu estava com ela, tinha quatorze anos, quando ela teve o segundo já estava casada e este foi mais forte, pensei que a perderíamos, peguei ferias do meu trabalho e fiquei com ela deixei minhas filhas nas mão da sogra, do marido e não sai de perto dela um minuto, dava banho e a deixava bem cheirosa pois sua preocupação era de ninguém chegar perto dela e sentir algum cheiro ruim, cheiro de velho como ela mesma dizia. Ela melhorou e viveu mais trinta anos, ela faleceu com noventa e trés anos e muito linda por sinal.
Então não ficaria assustada e revoltada se a Angela continuar tocando sua vida na fazenda. Claro que como escrevi não sei o que a motiva ficar, mas mesmo que ela saia o que vai restar para ela depois, ficar sofrendo e chorando em um ambiente triste e sem vida? 


“Tudo que criamos para nós, de que não temos necessidade, se transforma em angústia, em depressão...”
“Uma das mais belas lições que tenho aprendido com o sofrimento: Não julgar, definitivamente não julgar a quem quer que seja.”
Chico Xavier.




7 comentários :

  1. Bom dia amiga Verinha.
    Uma excelente reflexão. Cada pessoa é única e deve agir de acordo com o coração.
    Uma ótima semana e muitos beijinhos no coração.
    Gracita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gracita, obrigada pelo carinho, bjos.

      Excluir
  2. Olá Verinha!

    Vim te ver e ler-te!
    Agradeço a tua visita, o teu comentário e o teu carinho. :)

    Obrigada, também pela parceria. Estive a procurar o selo do teu blog, mas não o encontrei. Podes dizer-me onde se encontra para colocar no meu blog?

    Quanto à tua postagem "Ações e Reações", eu concordo inteiramente contigo. Sou crente, acredito em Deus e no espiritismo. Ando a estudar esta doutrina há já alguns anos e acredito na reencarnação. Acredito na vida além da morte, o que chamamos de morte é apenas uma mudança de dimenção. É lá no outro lado que temos o nosso lar, no Céu, não aqui, na Terra. A Terra é um mundo de provas, de trabalho ardo-o. Porém, actualmente está num processo regenerativo.

    Cada ser reage à perda da melhor forma que sabe e não deve ser criticado por isso, pois cada um tem a sua maneira de sentir. Onde moro, as pessoas criticam-me devido à forma como vejo a vida e a morte, mas estas são pessoas mais voltadas para a matéria. Penso que devemos respeitar a ideia dos outros e expor a nossa ideia, sem a impor.

    Sou de opinião de que devemos amar uma pessoa quer seja em vida, como na desencarnação, fazendo-lhe sempre o bem. Fazendo-lhe o que nós gostariamos que nos fizessem a nós.

    Parabéns pela postagem!

    Um beijo,

    Cris Henriques.

    Blog: http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindas palavras Cris, Coloquei o link do meu blog para você, só não estou conseguindo te enviar comentários,estou tentando mais não abre nada. Dá uma olhada se é só comigo que esta acontecendo. Bjinhos.

      Excluir
  3. Muito boa a postagem e entendo perfeitamente o que fez quanto a sua avó, eu detesto velórios, mas caso fosse minha irmã que tivesse morrido e no caso pelo menos que li até agora se suicidado, eu nem teria acabo de ouvir já teria saído de lá, não a julgo mas eu não teria condições psicológicas de ficar no meio de pessoas que não são minhas amigas, nesse momento precisaria dos meus ao meu lado, amo demais meus irmãos e despedir-me deles seria necessário.
    Só seria ridículo a saída caso elas não se falassem e devido a morte ele fosse velar a irmã, mas ela mesmo disse que era a que mais amava. Mas enfim cada um sabe de suas dores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Patricia concordo com seu pensamento,com certeza o que manda é o nosso coração. Obrigada pela visita, bjinhos.

      Excluir
  4. Ôi Verinha querida! Como está você? Postagem para refletir.... Faço minhas as palavras do amado Chico Xavier, com as quais você finalizou o post....Obrigada pelo carinho! Um abençoado início de semana!
    Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir