20 de agosto de 2011

TRÊS ANOS EM MUANÁ....

Hoje faz exatamente três anos que estou em Muaná.
Lembro que minha chegada aqui foi muito agitada, para mim foi uma aventura porque nunca tinha viajado de barco ou não tanto tempo assim, pois de Belem até aqui foram seis horas, claro que dormi um bom tempo no camarote. A maioria do pessoal dorme em rede, é até bonito de ver as redes estendidas, de cada tipo, de cada cor. É um colorido, como um arco-iris. O nome do barco é Luzeiro.
Quando chegamos ao porto de Muaná era madrugada uma hora da manhã, ficamos dormindo ali até as seis horas, na saída do barco fiquei apavorada, para desembarcar tinha que passar por uma tabua estreita que eles colocam do barco até o trapiche, pois o barco não encosta completamente, ai que sufoco, fiquei morrendo de medo, meu marido com toda paciência deste mundo dizia que era para ir não havia perigo, mas que nada lá fiquei fazendo frescura, até que o carregador colocou o pé na tabua e me puxou, acho que ele ficou nervoso,risos, Depois fui conhecer a fabrica, almoçamos lá mesmo e só a tarde é que fomos para minha nova casa, mais uma surpresa, na porta de entrada havia uma aranha, mas não uma aranhazinha, era uma caranguejeira, eu simplesmente morro de medo de aranha, de sapo não, de cobra não, de barata não, mas a aranha me apavora. 
falei que se tivesse esse tipo de aranha ali eu não ficaria ali nem mais um dia, meu marido falou que foi apenas coincidência de ela estar ali. Há! todo dia me deparava com uma aranha daquelas. Depois de um tempo morando aqui em Muaná, me acostumei com as aranhas, com as longas viajes de barco, com a tabua no trapiche e com tudo mais. 
Saudades sinto e muita de Jaraguá, mas não pela cidade em si, mas pelas pessoas que lá ficaram, acho que se eu pudesse de lá traze-las, não sentiria mais este aperto em meu coração.
Em jaraguá tive momentos de felicidade, como o nascimento de minhas filhas, meu trabalho que adorava, pois achava que era paga para me divertir, das minhas amigas, O meu anjo da guarda Jane, da minha ex cunhada Lucinda, da minha amiga Neide e tantas outras que não daria para escrever todos os nomes. Destaquei o nomes das três porque marcaram por demais minha vida. 
Enfim três anos de Muaná, hoje estamos construindo uma casa, então ficarei por muito tempo ainda aqui, claro que como coloquei minha vida e a vida de quem amo nas mãos de Deus, ele que decide por quanto tempo ficarei aqui. Que seja eterno enquanto dure.



Um comentário :